Newsletter

* This field is required
* Invalid email address

Exercício físico, gestão do stress, e depressão

water_exercise_for_stress_relief_zxgiw_2jvr4
Hoje em dia estamos sujeitos a uma elevada carga de stress, das mais diversas fontes. Trabalho, família, privação de sono, e até exercício físico, para alguns pelo menos. No entanto, até certa medida, o exercício físico é ele próprio também uma estratégia para aliviar esse stress do dia-a-dia. A actividade física é importante para regular a função das adrenais e estimula a produção de endorfinas, neurotransmissores que sinalizam ao cérebro bem-estar e prazer. Um estudo publicado recentemente com modelos animais veio acrescentar à questão. Ao que parece, não é apenas importante o que é bombeado para circulação em resposta ao exercício, mas também a capacidade de remover substâncias prejudiciais da corrente sanguínea.

Em situações de stress nós produzimos uma substância chamada quinurenina. Este composto actua a nível cerebral induzindo um estado depressivo e distúrbios neutro-cognitivos. Por seu lado, o exercício estimula a actividade do cofactor PGC-1alfa1, responsável por algumas das adaptações que conhecemos à actividade física, nomeadamente o aumento da capacidade anti-oxidante, proliferação mitocondrial, maior capacidade energética, entre outras. E uma dessas outras é o aumento da actividade de uma enzima, a KAT, com a capacidade de degradar essa quinurenina em ácido quinurénico. Este produto não consegue passar a barreira hematoencefálica, logo não tem acção nefasta a nível cerebral. 

Se a quinurenina está associada ao stress, e se o exercício aumenta a sua degradação e remoção de circulação, trata-se de mais uma forma pela qual a actividade física actua no sentido de reduzir o stress e, mais do que isso, alivia sintomas depressivos. Conheço vários casos em que funcionou muito bem na gestão de situações dolorosas, como a morte de uma pessoa querida, ou um desgosto amoroso. Além disso, sabe-se que a quinurenina está elevada em algumas patologias do foro psíquico, assumindo aqui também um possível papel terapêutico. 

Sem querer entrar na polémica de qual o tipo de exercício mais adequado aqui, há um aspecto que devemos ter sempre em conta – a pessoa. Se a actividade física tem o intuito de ajudar a gerir o stress, então é suposto dar prazer. Até posso achar que o treino de força/resistência muscular é mais benéfico a vários níveis, mas se a pessoa tem um grau de sofrimento e de sacrifício brutal ao fazê-lo, será que é o mais adequado para este fim? Obviamente que não. Não é a pessoa que se tem de adaptar à prescrição, mas sim a prescrição à pessoa. Uma prática muito ignorada tanto na nutrição como na área do exercício.

Mas o exercício físico quando em excesso é também um factor de stress, a somar à enorme carga alostática a que estamos sujeitos hoje em dia (conjunto de todos os factores stressantes da nossa vida). Também aqui “a dose faz o veneno”, e é importante perceber a linha que separa os benefícios dos malefícios. É óbvio que, na generalidade, o nosso principal problema é a falta dele e não o excesso. Mas, para quem trabalha nesta área, não são assim tão raros os casos em que a “carga” é demasiado alta para o que o nosso sistema consegue suportar, um sistema já de si muitas vezes debilitado pelo stress e uma nutrição desadequada.

Autor: Sérgio Veloso

Referência: Leandro Z. Agudelo, Teresa Femenía, et al. Skeletal Muscle PGC-1a1 Modulates Kynurenine Metabolism and Mediates Resilience to Stress-Induced Depression. Cell, September 2014

Publicado em 2 Fevereiro, 2015 em Exercício

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to Top